quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O inesquecível mimeógrafo



Como esquecer do revolucionário mimeógrafo? Acho que 99% que ler este post vai lembrar do cheirinho do álcool que as folhas exalavam ao passar por ele, sem dúvidas. Das chacoalhadas e sopradas para as folhas secarem. Ou do momento último biscoito do pacote por ser o escolhido da professora para buscar o dito cujo ou rodar a manivela. E o melhor de tudo era quando todo mundo da sala torcia para as provas borrarem e ficarem para o dia seguinte. A maioria dos meus professores faziam as provas a mão mesmo, só a de geografia fazia na máquina de escrever. Já para quem não teve a oportunidade e nasceu na época do xerox e dos computadores, só posso dizer que perdeu uma das melhores experiências que as escolas ofereciam, algo que marcou a infância/adolescência de muitos e que jamais será esquecida.



.

4 comentários:

Renato disse...

Olha eu aqui de novo, venho ate o blog anos 80 e 90, para relembra o mimeógrafo que saudade. Mas Vivian você esqueceu de citar que as folhas vinha com aquele cheirinho de Álcool que acabava embriagando alguns alunos, ate viciando a todos com o cheiro de tinta de caneta, mas vou confessar que ficava torcendo para borrar as folhas (risos,) Saudades do Mimeógrafo!

He-Man Augusto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
He-Man Augusto disse...

minha mãe se lembra.

Anônimo disse...

Dei sorte que minha mãe era professora. Muito visitava essa "super máquina" :)