Recent Post

quinta-feira, 25 de agosto de 2016


Se você perguntar por ai, ainda tem gente que tem algumas peças desse lindo conjunto de louças. A maioria irá dizer que a vovó tinha e as lembranças virão instantaneamente a sua cabeça, o quanto eram gostosas as comidas servidas nelas.

0


Qual menina nunca sonhou em ter uma boneca Lu Patinadora? Ela vinha com um look esportivo, cheio de charme e com um jingle super fofo:

Lá, lé, li, ló, Lu Patinadora!
Lá, lé, li, ló, Lu Patinadora!
De roupinha esporte ela é uma graça ela ensina você a patinar.
Tem cotoveleira? Tem!
Capacete, joelheira? Tem, tem!
Lá, lé, li, ló, Lu Patinadora!

Algum tempo depois, também foi lançada a boneca Lu Esquiadora: 



0

quarta-feira, 24 de agosto de 2016



Sim, isso mesmo que você leu. Boa parte da minha infância devo aos filmes dos Trapalhões, que não deixavam a desejar e eram muito divertidos. Quantas saudades deste quarteto que brilhava nas nossas TVs nas tardes de férias, bem que poderiam passar de novo.

- O campeão da minha lista é "Os Trapalhões na Terra dos Monstros", de 1989, porque foi o primeiro filme que assisti no cinema. A trama acontecia na maior parte do tempo dentro de uma caverna cheia de monstros, onde os Trapalhões tinham como missão salvar a filha de um rico proprietário de uma indústria de papel, ou seja, a Angélica. Adorava ver aqueles monstrinhos fofinhos que eram do bem.



- Logo depois vem "O Casamento dos Trapalhões" de 1988, porque adorava ver aquela cena em que o Didi prepara o café da manhã e o filme todo em si. Na minha opinião é o melhor filme do quarteto. E qual era a menina que não morria de amores pelo Grupo Dominó? Depois  de muita confusão no decorrer da história, todos se casam.




- Não tem como esquecer também do filme "Os Trapalhões no Reino da Fantasia", onde a Xuxa interpretava a irmã Maria que dirigia um orfanato, onde os Trapalhões tentam a todo custo arrecadar dinheiro para não fechá-lo. Os danados vão parar no Beto Carrero, onde é recriado o cenário do velho Oeste norte americano. O filme misturava personagem humanos com desenhos animados, que foram produzidos pelo meu ídolo Maurício de Sousa.



- "A Filha dos Trapalhões", de 1984, era fantástico, porque os Trapalhões moravam em um barco flutuante e quem não queria morar em um? No início do filme eles encontraram a pequena Júlia, até que quando foram trabalhar em um circo, descobriram que ela tinha sido abandonada pela trapezista para protegê-la de uma quadrilha que negociava crianças no exterior. A tal quadrilha os encontra e tenta recuperar a menina que, no entanto, contava com a ajuda d'Os Trapalhões para protegê-la. É só aventura.



- "O Mistério de Robin Hood", de 1990, foi super legal por causa das participações de Duda Little que interpretava a Rosa, uma menina orfã que ameaçava os planos do bandido Gavião e a Tatiana interpretada por Xuxa, filha de um mágico do circo. O Didi é um Robin Hood moderno, que rouba dos contrabandistas e agiotas para dar aos necessitados. Ele mora em um esconderijo próximo a um circo e é apaixonado por Tatiana. É neste circo que trabalham Fredo e Tonho , dois funcionários que vivem se metendo em trapalhadas. Eu adorava esse filme também.





.
1

Confesso que não fui uma criança santa ou aquela que nunca aprontou. Qual criança nunca manchou o tapete ou o sofá da sala, quebrou aquele vaso favorito da sua mãe, rabiscou a parede do próprio quarto achando que estava fazendo uma obra de arte, escondeu o boletim ou aquela advertência que a diretora lhe deu? Pois é, minha mãe foi prática e objetiva e nem por isso fiquei revoltada, ela realmente me ensinou muitas coisas boas, quer ver só?    


Minha mãe ensinou a valorizar o sorriso:
"Me responde de novo e eu te arrebento os dentes."

Minha mãe me ensinou a retidão:
"Eu te ajeito nem que seja na pancada."

Minha mãe me ensinou a dar valor ao trabalho dos outros:
"Se você e seu irmão querem se matar, vão pra fora, acabei de limpar a casa."

Minha mãe me ensinou lógica e hierarquia:
"Porque é assim e ponto final. Quem é que manda aqui?"

Minha mãe me ensinou o que é motivação:
"Continua chorando que eu vou te dar uma razão verdadeira pra você chorar."

Minha mãe me ensinou o que é contradição:
"Fecha a boca e come!"

Minha Mãe me ensinou sobre antecipação:
"Espera só até seu pai chegar em casa."

Minha mãe me ensinou a ter paciência:
"Calma, quando chegarmos em casa você vai ver só!"

Minha mãe me ensinou a enfrentar desafios:
"Olhe pra mim e me responda quando eu te fizer uma pergunta!"

Minha mãe me ensinou sobre raciocínio lógico:
"Se você cair dessa árvore vai quebrar o pescoço e eu vou te dar uma surra!"

Minha mãe me ensinou medicina:
"Para de ficar vesgo, menino! Se bater um vento você pode ficar assim pra sempre!"

Minha mãe me ensinou sobre o reino animal:
"Se você não comer essas verduras, os bichos da sua barriga vão comer você!"

Minha mãe me ensinou sobre genética:
"Você é igualzinho ao seu pai!"

Minha mãe me ensinou sobre minhas raízes:
"Ta pensando que nasceu numa família rica é?"

Minha mãe me ensinou a respeitar os mais velhos:
"Quando você tiver a minha idade vai entender!"

Minha mãe me ensinou sobre justiça:
"Um dia terá seus filhos e eu espero que eles façam pra você o mesmo que você faz pra mim."

Minha mãe me ensinou sobre religião:
"Melhor rezar pra essa mancha sair do tapete!"

Minha mãe me ensinou o beijo de esquimó:
"Se rabiscar de novo, eu esfrego o seu nariz na parede!"

Minha mãe me ensinou contorcionismo:
"Olha só que sujeira na sua orelha..."

Minha mãe me ensinou a ser determinado:
"Vai ficar aí sentado até comer a comida toda!"

Minha mãe me ensinou habilidades como ventrílogo:
"Não resmungue! Cala essa boca e me diga como é que você fez isso?"

Minha mãe me ensinou a escutar:
"Se você não abaixar o volume, eu vou aí e quebro esse rádio!"

Minha mãe me ensinou a ter gosto pelos estudos:
"Se eu for aí e você não tiver terminado a tarefa, você já sabe..."

Minha mãe me ajudou na coordenação motora:
"Guarda esses brinquedos agora, um por um!"

Minha mãe me ensinou a contar:
"Vou contar até dez, se esse vaso não aparecer você leva uma surra!"

Obrigado mãe!

O texto recebi por email, mas já o conhecia e não me pergunte a autoria porque não faço idéia. Mas lembra muito a minha infância, não que minha mãe foi tão má assim, mas com certeza aprendi muito com ela e hoje sei muito bem como é criar um filho.




.
2

segunda-feira, 18 de julho de 2016


A febre dos remakes dos anos 1980 ganhará novo capítulo nos próximos dias quando a animação He-Man e os defensores do universo ganhar um episódio inédito. Exibida originalmente entre 1983 e 1985, a série fez muito sucesso no Brasil quando foi exibida pelo programa Xou da Xuxa (da Globo), tendo ganhado até linha de brinquedos — atualmente, a série é reexibida pelo canal infantil Gloob. No início dos anos 2000, um remake já tinha sido produzido para o canal Cartoon Network. A trama acompanha He-Man em uma luta para proteger o reino de Eternia do super vilão Esqueleto.

Chamado The curse of the three terrors, o episódio será exibido na quarta -feira, um dia antes do início oficial da Comic-Con em San Diego (Estados Unidos).

Em junho a DC Comics e a Mattel anunciaram que farão um crossover entre He-Man e ThunderCats — outra animação popular nos anos 1980 — para uma HQ com estreia prevista para outubro. Em seis partes, a série será publicada mensalmente a partir de 5 de outubro. A nova trama vai colocar o vilão de ThunderCats, Mumm-Ra, em missão para adquirir a Espada do Poder de He-Man para poder destruir os ThunderCats. Seu plano acaba criando uma grande crise que junta Lion-O, Cheetara, Tygra, Panthro, WilyKit e WilyKat com He-Man, Gato Guerreiro, Teela, Mentor e o resto dos Mestres do Universo.



Por ANoticia
0

segunda-feira, 18 de abril de 2016



Tony Ramos foi pego de surpresa durante a gravação do programa Altas Horas, da Rede Globo: na atração, que ainda não foi o ar, o apresentador Serginho Groisman promoveu o encontro entre o ator e Beatriz Bertu, sua companheira de cena na novela Bebê a Bordo, de 1988.

Beatriz trabalhou com Tony Ramos quando era apenas um bebê de um aninho de idade — hoje com 27 anos, a garota voltou a atuar, estrelando muitos espetáculos teatrais e se formando em Artes Cênicas pela Universidade do Rio de Janeiro. O site GShow publicou uma foto do reencontro:



“Eu faço teatro. Eu parei de fazer após a novela e voltei aos 16 anos porque eu quis“, contou a jovem ao GShow. Tony Ramos ficou emocionado com a surpresa: “Haja coração!“, comentou durante a atração.
0

sábado, 16 de maio de 2015

Uma das figuras mais queridas da TV faleceu hoje aos 81 anos de idade, no hospital Copa D'Or, no Rio de Janeiro, onde estava internado desde 6 de maio. 

O ator nasceu em São Paulo, filho de sapateiro e dona de casa judeus, ambos imigrantes poloneses. Aos 12 anos tocava violino em uma orquestra juvenil amadora, quando foi convidado por um diretor para fazer teatro. Estreou na Tupi em 1959, onde permaneceu até 1978. Seu destaque foi no especial José do Egito.

Na Tupi, ele fez novelas ao vivo, atuou em várias tramas, o que o levou para a Globo em 1984. Em Tieta, de 1989, Elias fez o personagem de um motorista do lendário Marinete, o ônibus que conectava a fictícia cidade Santana do Agreste ao resto do mundo. Em Sonho meu, de 1993, fez o Tio Zé, um velhinho bondoso que adotou uma criança fugitiva de um orfanato. Mais tarde, repetiu o papel em Era uma vez..., de 1998.

Atuou também em Explode Coração, de 1995, em Chiquinha Gonzaga, de 1999, em Terra Nostra, de 1999. Merece um destaque especial em Caminhos das Índias, de 2009, onde fez o Seu Cadore.

E quem lembra da novela Sonho Meu, onde ele atuou como o vovô com Caroline Pavanelli?

Descanse em paz!

1

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015



1 – A ideia

O diretor John Hughes teve a ideia de “Esqueceram de Mim” durante as filmagens de outro filme com Macaulay Culkin, “Uncle Buck” ou “Quem vê Cara não vê Coração”, no título em português.

2 – Sob medida

O papel de Kevin foi escrito especialmente para Macaulay Culkin, mas, mesmo assim, mais de 100 crianças participaram de testes para o papel, só para garantir.

O irmão de Macaulay, Kieran, também aparece no filme, como o primo de Kevin, Fuller. Depois de “Esqueceram de Mim”, Kieran não deixou a carreira de ator de lado e fez vários outros filmes, sendo que entre os mais recentes está “Scott Pilgrim vs. The World”.

3 – Questões familiares

Da mesma forma que o roteiro de “Esqueceram de Mim” é uma história familiar, questões familiares reais também fizeram parte da produção do filme. O diretor Chris Columbus disse, em uma entrevista ao The Guardian em 2013, que, na época em que gravou o filme era muito ingênuo e que trabalhar com questões familiares foi complicado, afinal o próprio Macaulay tinha problemas familiares na época.

Os pais do ator mirim viraram notícia em 1995 depois de entrarem em uma batalha legal para conseguirem o poder de toda a fortuna de Macaulay.

4 – Recorde

O filme foi lançado em novembro de 1990 e, no primeiro final de semana de exibição, arrecadou mais de US$ 17 milhões em bilheteria, fora o que faturou nas 12 semanas em que ficou em primeiro lugar – só para você ter ideia, “Esqueceram de Mim” ficou no top 10 dos mais vistos até junho de 1991. O longa foi a maior bilheteria de 1990 e, por isso, está no Livro dos Recordes.

5 – “Home aloned”

O nome original do filme é “Home Alone”, que seria algo como “Sozinho em Casa”. De acordo com o roteirista William Goldman, muitos diretores começaram a usar o termo “home aloned” para se referir à baixa bilheteria de seus filmes em comparação com o sucesso de “Esqueceram de Mim”. Seria como dizer que “meu filme arrecadou X milhões, mas teria arrecado mais se não tivesse ficado ‘home aloned’”.

6 – Continuação

O elenco original está presente em “Esqueceram de Mim 2”, mas mais dois filmes, com outros atores, foram feitos com a mesma “receita”. A sequência, porém, não acaba aí: são quatro filmes, no total, além de três jogos de vídeo game e dois jogos de tabuleiro.

7 – Sucesso na Polônia

Não é só no Brasil que a exibição do filme se tornou uma tradição natalina. Um dos países que mais ama “Esqueceram de Mim” é a Polônia, onde em pleno 2011, mais de 5 milhões de pessoas ligaram a TV para assistir o clássico.

8 – Ponto turístico

A casa da família Mccallister acabou se tornando um ponto turístico, visitado por milhares fãs do filme. Se você também acharia bacana conhecer a famosa casa de Kevin, anote o endereço: 671, Lincoln Avenue, Winnetka, Illinois.

As cenas da cozinha, da escadaria principal e do sótão foram todas gravadas nessa residência. As cenas dos outros cômodos foram gravas em estúdio. A propriedade foi vendida em 2012 por mais de US$ 1,5 milhão.

9 – A casa da árvore

Originalmente, a casa da árvore de Kevin não existia na residência usada para as filmagens. A casinha foi construída especialmente para o filme e demolida assim que as gravações foram encerradas.

10 – Chicago

Todas as cenas foram feitas em Chicago: as gravadas no suposto aeroporto Orly, em Paris, foram feitas no aeroporto de O’Hare, na verdade. As cenas internas do avião foram filmadas em uma quadra de basquete de uma escola.

11 – Robert De Niro era para estar no filme

Sabe o Harry? O bandido “inteligente”? No início, o papel foi oferecido para o ator Robert De Niro, que recusou a proposta. Outro que também não quis saber participar do elenco do filme foi o ator Jon Lovitz.

12 – Medo de verdade

O pequeno Macaulay Culkin tinha medo de verdade de Joe Pesci, que interpretou o bandido Harry. Pesci evitou fazer amizade com Culkin durante as filmagens e nem mesmo ficava perto do garoto. Durante o ensaio da cena em que Kevin é pendurado à porta pela blusa, Pesci mordeu o dedo de Culkin e acabou machucando o ator.

Aliás, Pesci não estava acostumado a gravar ao lado de crianças e, por isso, os diretores tiveram que ensiná-lo a falar menos palavrão, por exemplo.

13 – E se fosse verdade?

Não há como negar que o esquema que Kevin armou para se livrar dos bandidos foi sensacional, mas e se aqueles ataques tivessem acontecido de verdade com alguém? Bem... Nesse caso, os bandidos provavelmente teriam sofrido lesões muito mais graves. De acordo com o Dr. Ryan St. Clair, os vilões jamais sairiam ilesos ou com tão poucos machucados das armadilhas de Kevin.

Lembra o lança-chamas que colocou fogo na careca de Harry? Pois é. Segundo Clair, qualquer pessoa que passasse por isso teria sérios problemas não só na pele, mas também no crânio. Isso para falar apenas de uma das armadilhas de Kevin.

14 – Pé de borracha

Sabe a cena em que Marv, o bandido mais atrapalhado, entra pela janela e acaba pisando em bolinhas natalinas? Para gravar a cena o ator usou um pé de borracha e os enfeites pisoteados eram feitos de açúcar.

15 – A aranha

Depois de levar um ferro quente no rosto, Marv precisa lidar com a agonia de ter uma tarântula andando em seu rosto. O animal em questão era de verdade. O ator Daniel Stern, que interpretou o ladrão, concordou em fazer a cena com a condição de que ela fosse gravada em uma vez só. Para não assustar a aranha, o ator apenas fingiu que gritava – o grito foi dublado por ele mais tarde.

16 – Um dia de gravação

John Candy, que é o cantor maluco que dá carona à mãe de Kevin, é um dos atores favoritos de John Hughes, responsável pelo roteiro. Como estava envolvido com outros trabalhos, o ator não tinha muito tempo disponível, e suas cenas foram gravadas em apenas um dia – ou 23 horas para sermos mais exatos.

17 – “Fique com o troco, seu animal”

Sabe a cena que Kevin usa para simular a presença de alguém armado e com muita raiva? Então. Nunca perca seu tempo procurando por esse filme, afinal ele não existe, e as cenas foram feitas somente para o longa.

18 – Elvis Presley

Não faz sentido falar do rei do rock em um texto sobre “Esqueceram de Mim”, certo? Sim, teoricamente, sim, mas sempre tem alguém disposto a procurar algum tipo de teoria da conspiração. Tem gente por aí dizendo que Elvis não apenas não morreu como andou fazendo um freela de figurante no filme.

Fonte: Mega Curioso 
2

terça-feira, 13 de janeiro de 2015



Há 24 anos atrás, o filme Um Tira no Jardim de Infância traz Arnold Schwarzenegger como professor, na verdade, um tira disfarçado para capturar um traficante que tem um filho matriculado na escola.


Um dos papéis mais importantes do filme foi a de Dominic Palmieri, interpretado pelos gêmeos Joseph e Christian Cousin. Foram indicados ao prêmio "Young Artist Awards" na categoria melhor ator coadjuvante. Participaram também do filme "Duas Babás Nada Perfeitas", mas logo saíram de cena. Atualmente, Christian trabalha no setor mobiliário.


Uma das cenas mais fofas foi de Miko Hughes quando explicava o trabalho do pai ginecologista. Ainda atuou em "Código Para o Inferno" (1998), "Quase Feitos um Para o Outro" (1997), Apollo 13 - Do Desastre ao Triunfo" (1995) e o "Cemitério Maldito" (1989).


Na trama, as gêmeas sempre enfatizam que a mãe sempre conta que o pai delas é uma máquina de fazer sexo. Tiffany e Krystle Mataras fizeram também "O Pestinha 2" (1991) e "100.000 Zombies Head" (2012).


A atriz Odette Annable interpretou Rosa que falava espanhol. Desde sua infância sempre foi modelo. Participou também de "Transformers" (2007) e "Cloverfield" (2008) e fez alguns seriados.


Com 50 anos de idade, Penelope Anne Miller que interpretou Joyce Palmieri, fez mais filmes como "O Pagamento Final" (1993), "Chaplin" (1991) e "O Artista" (2011).


Pamela Reed interpretou a detetive Phoebe O'Hara. Nos anos 90, fez sucesso no filme "Junior" (1994), onde Arnold Schwarzenegger também participou. Também fez o seriado CSI.


Richard Tyson interpretou o traficante Cullen Crisp e depois disso teve participação somente em "Eu, Eu Mesmo e Irene" (2000).


Linda Hunt interpretou a diretora Miss Schlowski, atualmente tem 69 anos e fez "NCIS: Los Angeles" (2009 a 2014). Também atua como narradora da franquia de video game "God Of War".


Arnold Schwarzenegger já é conhecido por sua atuação em "O Exterminador do Futuro" e "Conan". Brilhantemente, aceitou o desafio de participar de uma trama infantil e se saiu muito bem. Além de participar de outros vários filmes, ele também foi governador da Califórnia.

Fonte: R7 Pop
0

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014



Créditos para o cartunista Alpino

0







0

domingo, 30 de novembro de 2014


O grande encontro do Chaves com o Seu Madruga foi ilustrado pelo cartunista Dave Alvarez, publicado em seu Facebook, que é parte do vídeo "Corazón Del Chavo", em homenagem aos 85 anos de Roberto Bolaños.

0



Esta imagem retrata o encontro do Chapolin e Charles Chaplin no céu. Roberto Bolaños e sua trupe já haviam interpretado o personagem americano na década de 1980. Créditos para o cartunista venezuelano Eduardo Sanabria.

0

Nada é mais difícil que unir a América Latina, nem o futebol consegue isso, que o digam os brasileiros com o Pelé e os argentinos com o Maradona. O Chaves do Oito e o Chapolin Colorado conseguiram, são idolatrados de Tijuana a Ushuaia, mesmo com 30 anos sem gravar um episódio.

Vários experts em televisão já explicaram os motivos, é uma comédia que não subestima a inteligência do espectador, mesmo sendo uma criança, é um local que faz parte da infância rural/suburbana de muita gente, são relações de poder que se refletem no cotidiano, os trejeitos se repetem.

Acima de tudo isso existe um sentimento estranho de fraqueza e auto-ironia que une a nós, latino americanos, como nenhuma outra coisa. A fraqueza das nossas posses, das nossas instituições, a fraqueza da justiça e das pessoas desfavorecidas, a auto-ironia de saber debochar de si próprio como alternativa de resignação às derrotas constantes.


Tudo isso nos une, de Tijuana a Ushuaia. Sempre vai ter um vizinho com uma bola que queremos e não podemos ter, sempre vamos apanhar por algo que não fizemos, às vezes, seremos expulsos da nossa vila por um crime que não cometemos e sempre terá Acapulco para irmos nos divertir mesmo sem pagar 14 meses de aluguel.

Essas contradições são tipicamente latino americanas. Bolaños pode não ser o melhor roteirista do mundo, nem do seu país. Poderia ter ideias que não condizem com a sua prática - mas qual outro conseguiria trazer realidades tão caras a nossa situação política e social?

E que outro professor nos ensinou as histórias de Colombo, de Fausto, de Napoleão, de Chopin, de Guilherme Tell e até astronomia básica - "não são pedras, são aerólitos!" - de forma tão divertida e tão grudenta, para não esquecermos nunca?

Sempre vão ter aqueles para dizer que é apenas uma valorização da "cultura trash", do "ruim divertido", o "ruim cult". Assim como os estádios da América Latina, repletos de cachorros em campo, sinalizadores, arquibancadas de madeira, papel higiênico no gramado - ora, não gostam? Fiquem com sua assepsia de arenas multiuso e comédia hospitalar. Ninguém é obrigado a gostar. Respeitem quem se identifica com aquilo que está perto da sua realidade, ou é difícil encontrar uma criança abandonada com um saco de roupas, na sua esquina?

Bolaños se despede com a contradição maravilhosa de ter a sua morte anunciada no intervalo da sua vida, em uma das tantas reprises que o representam como completo no SBT. Bolaños se despede como nós, na dúvida entre a morte e a não-morte, na comoção e no choro generalizados daqueles que, mais que admiraram, mais que amaram, sentiram o que Chaves sentia.

Bolaños se despede para seu descanso merecido, enquanto aqui seguimos fazendo suco de tamarindo com a água da chuva.

Obrigado, Chavo del 8 e El Chapulín Colorado.

Luís Felipe dos Santos

Texto extraído de Impedimento
0


A vila hoje está assim, sem festa da boa vizinhança, sem brincadeira da cruz vermelha, ninguém está caçando churruminos e nem esperando o senhorio da vila para dar uma pancada. Em algum lugar, mesmo sem ser Peter Pan, ele nunca vai crescer. A gente nem faz ideia do valor e da genialidade dele, talvez nem ele mesmo o fizesse. O heroísmo dele vai além do Chapolin, ele é latino de um país do terceiro mundo, cheio de chaves espalhados por aí e fez o mundo prestar a atenção no que ele tinha criado. E para muitos, como é no Brasil, ele nunca deixará de ser um gênio. Coma quantos sanduíches de presunto quiser e descanse em seu barril. Estaremos esperando você pra rir no mesmo lugar, no mesmo horário e no mesmo canal.

Texto extraído do Facebook
0