segunda-feira, 27 de junho de 2011

O corretivo nosso de cada dia



Ah, como seria bom se as coisas ruins do nosso dia a dia fossem eliminados com um simples corretivo. Na minha infância e parte da adolescência foi possível, mas somente em cadernos, agendas, livros e o que estivesse ao alcance. Pois é, o tal do Liquid Paper, ou corretivo como era e é mais conhecido, foi criado em 1951 por Bette Graham, americana de 27 anos, divorciada e com filho para criar, era secretária em um banco de Dallas. Insatisfeita com a sujeira das fitas de carbono das máquinas de escrever, ela levou uma tinta branca à base de água que criara em casa. A inspiração teria vindo de pintores que ela viu cobrindo erros com uma camada extra de tinta. Um professor de química ajudou a melhorar a fórmula e logo as colegas aderiram. Em 1956, Bette fundou a Mistake Out Company, onde a produção era feita manualmente em sua cozinha. Nesse mesmo ano, ela trocou o nome do produto para Liquid Paper. Apenas em 1961 a empresa mudou-se para um pequeno escritório nos fundos de sua casa. Ela adquiriu sua primeira fábrica em 1968, com o nome de Liquid Paper Corporation. Em outubro de 1977, o negócio foi vendido para a Gillette por 38 milhões de dólares.



.

Um comentário:

Pixy disse...

Aqui em São Paulo, durante minha infância. era mais conhecido como "Branquinho"!